Burn Book

Conteúdo Recomendado

Burn Book


Disney atinge maior bilheteria global com estreia de Doutor Estranho!

Posted: 07 Nov 2016 03:42 PM PST

Que “Doutor Estranho” era um dos filmes mais esperados do ano todo mundo já sabia, mas o que a Disney não esperava, é que poucos depois de seu lançamento, Doutor Estranho já faturou mais de US$ 85 milhões (cerca de R$ 274 milhões) só no primeiro fim de semana de exibição nos Estados Unidos.

doctor-strange-06

Ao todo, “Doutor Estranho” já faturou US$ 240 milhões (R$ 776 milhões) em bilheteria em todo o mundo. No Brasil, o filme foi lançado na quarta-feira (2).

“Doutor Estranho” conta a história do cirurgião Stephen Strange (Benedict Cumberbatch), que após um acidente de carro tem o movimento das mãos comprometido. Para tentar se recuperar, ele vai a um templo na Ásia e acaba se tornando um mago transcedental. Além do ator britânico, também estão no filme Rachel McAddams, Chiwetel Ejiofor e Tilda Swinton.

Os números de “Doutor Estranho” só ficaram abaixo de “Homem de Ferro”, “Capitão América: Guerra Civil” e “Os Vingadores”.

Leia mais sobre Doutor Estranho

Fonte Gente – iG 

The post Disney atinge maior bilheteria global com estreia de Doutor Estranho! appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

Sheldon, de The Big Bang Theory, pode ganhar série própria em 2017

Posted: 07 Nov 2016 02:12 PM PST

Segundo o site Deadline, CBS está desenvolvendo um projeto derivado da série de TV derivada de The Big Bang Theory estrelada por Sheldon (Jim Parsons).

O seriado mostraria a infância do nerd aos 12 anos de idade, e segundo a publicação, o seriado será parecido com Malcom in the Middle.

Sheldon é esperado para algum momento de 2017. Ainda não há confirmação oficial pela CBS.

Leia mais sobre The Big Bang Theory

4z76e

via Omelete / Deadline

The post Sheldon, de The Big Bang Theory, pode ganhar série própria em 2017 appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

Descubra uma nova era de magia e aventura com Animais Fantásticos e o Google

Posted: 07 Nov 2016 11:16 AM PST

A campanha de marketing para o lançamento do filme Animais Fantásticos e Onde Habitam está com tudo!

Focando no público que está conectado 19182198% do tempo, a Warner criou um site especial baseado no universo do filme, com imagens, novas experiências e conteúdos exclusivos do filme.

Descubra uma nova era de magia e aventura com #AnimaisFantásticos e o Google. Comece a explorar agora!

14907187_348313038853571_1715870604525466701_n

J.K ROWLING ANUNCIA QUE ANIMAIS FANTÁSTICOS TERÁ 5 FILMES

Animais Fantásticos e Onde Habitam, o primeiro filme de uma nova trilogia da franquia Harry Potter, tem direção de David Yates e chegará aos cinemas em 17 de novembro de 2016. As continuações têm estreias previstas para 2018 e 2020. Além de assinar o roteiro, J.K. Rowling tem controle criativo sobre a adaptação.

The post Descubra uma nova era de magia e aventura com Animais Fantásticos e o Google appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

Wattys 2016 – conheça algumas histórias!

Posted: 07 Nov 2016 10:00 AM PST

Todo ano, o wattpad promove uma premiação chamada The Wattys. Trata-se de um concurso onde a plataforma reconhece o trabalho de escritores em diversas categorias. No ano passado, inscrevi Poder Extra G e tive o prazer de ganhar na categoria “As Mais Viciantes“. Foi uma experiência incrível… Meu número de leitores aumentou consideravelmente depois disso. Esse ano, no entanto, não pude participar da premiação, pois você precisa cumprir com alguns requisitos para ganhar o prêmio. Um deles é deixar sua história disponível por um certo período após a premiação. Como assinei contrato com a Astral Cultural recentemente e preciso entregar minhas obras dentro do prazo, sabia que não poderia concorrer novamente, mas sabia também que muita gente incrível seria premiada. Eu não podia estar mais certa!

Nessa postagem, resolvi compartilhar com vocês os vencedores que mais chamaram minha atenção em cada categoria. Se preferir conferir a lista completa de ganhadores, você pode fazê-lo clicando aqui.

Narrativa visual
Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, mas este ano pode valer um prêmio Watty. A categoria narrativa visual reconhece as fantásticas obras que usam recursos audiovisuais embutidos para criar histórias originais, incluindo de quadrinhos a livros de receitas e tudo o que há no meio.
01A parede encantada” chamou a minha atenção por possuir uma capa bonita e integrante. Quando li sua sinopse, cheguei a conclusão de que o clique tinha valido a pena. Adorei a premissa e também curti a escrita da Rayssa. É uma obra para a qual, com certeza, darei uma chance! Leia agora mesmo clicando aqui.

• Inovação
Algumas histórias testam os limites. Seja um toque novo num gênero estabelecido ou o distanciamento total do que se conhece, este prêmio reconhece autores que exploram novos territórios.
02“Infected” também ganhou minha atenção pela capa (embora eu não curta obras nacionais com títulos em outro idioma), mas foi a sinopse e os comentários dos leitores que me convenceram, de fato. A premissa é original e a escrita flui facilmente. Para os fãs de sagas, a notícia é boa: a obra já possui continuação e se chama Wanted. Inicie sua leitura clicando aqui.
• Estreia autoral
A primeira impressão é muito importante. Em 2016, alguns fantásticos escritores novos deixaram sua marca na comunidade Wattpad. Este Watty comemora grandes obras de autores que estrearam este ano.
03Em”Kerana” o que chamou a minha atenção foi o título combinado ao subtítulo da obra. A capa, bem elaborada e atraente, também ajuda. E, confesso, nunca li ficção sobre mitologia indígena e achei a proposta muito bacana, além de inovadora. Você pode iniciar sua leitura agora mesmo clicando aqui.
• Joias escondidas
Você acha que a sua história passou despercebida? Pense novamente. Estamos sempre vasculhando o Wattpad em busca de diamantes brutos. Os Wattys não são exceção — desencavamos excelentes histórias que nossos leitores vão adorar.
04 Fiquei um pouco desanimada com essa categoria, pois nenhuma capa chamou minha atenção, de fato. Resolvi vasculhar uma ou outra história, mas acabei me decepcionando com algumas logo na sinopse. E aí resolvi dar uma chance para Valentine que, felizmente, ganhou uma nova capa muito mais atraente que a anterior (que aparece na página da premiação, inclusive). A sinopse me deixou intrigada e a obra com certeza conquistou uma nova leitora. Leia agora mesmo aqui.
• Leituras vorazes
Sabe aquelas histórias que fisgam os leitores do começo ao fim? Aquelas que você não consegue largar, mesmo quando está caindo de sono no meio de uma frase? Este prêmio vai para as histórias inscritas mais viciantes.

05

The post Wattys 2016 – conheça algumas histórias! appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

Resenha: Corte de Névoa e Fúria, Sarah J. Maas

Posted: 07 Nov 2016 08:30 AM PST

Primeiramente e com certeza o mais importante antes de se iniciar essa leitura é a pergunta: já leu Corte de espinhos e rosas? Se sim, venha se divertir e surtar comigo nessa resenha. Se não… bom, NÃO leia essa resenha, leia essa aqui! Com Sarah J. Maas é impossível falar do próximo livro sem destruir os maiores segredos do anterior e não quero ninguém lendo spoilers gigantes e chorando depois okay? Então vamos lá!

Depois dos últimos acontecimentos de Corte de espinhos e rosas Feyre se encontra em pedaços, cada respiração é difícil, o sono é vencido por pesadelos, cada dia parece infinito em si mesmo e só de pensar que agora ela tem toda a eternidade pela frente um vazio toma conta e nada parece certo.

Eu era a assassina de inocentes e a salvadora de uma terra.

Ela fez o que tinha que fazer pelo homem que amava, por Tamlin, mas começa a pensar que para isso ela teve que matar uma parte de si mesma, ela teve que se despedaçar e agora não sabe como juntar os pedaços, nenhum deles. E nem mesmo Tamlin, que antes era como o raio mais ardente de sol, a ajuda a afastar as trevas de seus dias, nem mesmo os beijos mais ardentes ou as noites mais selvagens afastam sua mente do desespero que se encontra ali na esquina de seus pensamentos.

E Tamlin também não parece bem, ele está possessivo e cuidadoso demais, o que a sufoca. Feyre precisa de espaço para se redescobrir e Tamlin a enche de cuidados com a casa e aulas chatas e preparativos para o casamento, o que faz com que Feyre se lembre do laço entre os pais de Tamlin, o que a faz pensar que seja só uma questão de tempo até isso surgir entre ela e Tamlin e tudo fique mais fácil.

No fim algo grita que ela está querendo se enganar e ao ficar sozinha, olhar para a marca de Rhysand em sua mão e se lembrar de que as coisas nem sempre foram tão calmas e de que ela ainda tem uma dívida a pagar, o desespero, nojo e medo voltam a tomar conta.

Com a aproximação do casamento Tamlin piora, se tornando ainda mais protetor e isso faz com que Feyre não se sinta bem, ela começa a duvidar de si mesma e a não se achar boa o bastante para o que significa se casar com Tamlin, ela está a caminho do altar, hesitando, quase desistindo e fugindo quando Rhysand aparece em meio a noite e névoa, cobrando o preço de seus favores e levando Feyre embora.

Apavorada Feyre de repente se vê na Corte Noturna, com Rhysand e não sente metade do que deveria sentir, suas forças estão drenadas demais, contudo ele não a tortura ou outras coisas do tipo que passaram por sua cabeça. Rhysand apenas lhe oferece abrigo, roupas, boa comida e toda a liberdade que uma casa sem paredes e o ar da noite como cenário podem oferecer, com uma única condição, enquanto ela estiver ali aprenderá a ler e criar um escudo mental para mantê-lo longe de seus pensamentos.

E a semana passada ali só servem para mostrar que as coisas com Tamlin não estão seguindo na direção certa, principalmente quando ela consegue dormir quase a noite toda ali, principalmente quando ela voltou a comer e recuperou um pouco de seu peso, principalmente quando ela se sente triste ao notar que precisa ir embora.

Ao voltar Feyre tenta mostrar a Tamlin que é capaz de se proteger, ainda mais agora que ela possui um pouco do poder dos sete Grão Senhores, mas ele se mostra irredutível e isso acaba por desencadear uma série de situações que fazem com que Feyre desista de tudo e Rhysand tome uma decisão que mudará a vida de todos, esconderá segredos poderosos, nos apresentará personagens novos e intrigantes e nos revelará uma trama perigosa onde eles podem não ser mais do que peões num jogo por poder e morte.

-Ele acha que vai ser lembrado como o vilão d história.

Amren riu com deboche.

-Mas me esqueci de contar a ele – falei, baixinho, abrindo a porta. – que o vilão costuma ser a pessoa que trancafia a donzela joga a chave fora.

O livro começa num clima agonizante, é quase fisicamente doloroso ler sobre como a Feyre se encontra, é triste notar o quão mal ela está e desesperador pensar que é isso que a depressão faz com uma pessoa, pois aos poucos Feyre está se consumindo e você teme o dia em que ela sumirá pelo simples fato de Tamlin não querer ver o quão mal ela está. Acho que sua negligência é o início do meu ódio por ele, e o fato dele se mostrar um maldito dominador possessivo não contribuí para que eu pelo menos honre sua imagem no primeiro livro e lembre que ele também sofreu bastante. Porque nada, nada justifica o que ele faz com ela.

Tamlin me dera tudo o que eu precisava para me tornar quem era, me sentir segura, e, quando conseguiu o que quis, quando conseguiu o poder de volta, as terras de volta… parou de tentar. Ainda era bom, ainda era Tamlin, mas estava simplesmente… errado.

O que me leva a dizer como a Sarah J. Maas é maravilhosa em abordar temas tão relevantes, polêmicos e atuais como a depressão e relacionamentos abusivos num livro de fantasia fantástica e sair totalmente perfeito! Você mergulha tanto no desespero dela, em seu ser que é impossível não entender pelo menos um pouco pelo quê essas mulheres passam e se perguntar… Como elas sobrevivem? Como elas saem disso?!

Aquela garota que precisava ser protegida, que desejara estabilidade e conforto… ela morrera Sob a Montanha.

E é aí que o jogo vira meu bem e Sarah mais uma vez nos joga muitas bombas e somos atingidos por muitos tiros ao perceber que quem vai ajudar Feyre a se reerguer é Rhysand, que convenhamos desde do primeiro momento em que apareceu a gente já sabia que vinha mais por aí, contudo eu DUVIDO que vocês imaginariam algo como a Maas fez, foi novo, lindo, profundo e tãooo natural.

– Você mandou aquela música para minha cela. Por quê?

A voz de Rhysand estava rouca.

– Porque você estava se partindo. E eu não pude encontrar outra forma de salvá-la.

Pois ele lhe dá a única coisa de que ela precisa: liberdade de escolha. Desde o primeiro instante Rhysand não trata Feyre como uma menininha que precisa de cuidados, ele a trata como igual e sempre, sempre lhe dá uma opção. Ela pode confiar nele ou não. Ela pode apreender a se defender ou continuar indefesa. Ela pode seguir em frente ou continuar sofrendo. Ela pode se perdoar ou se culpar. E isso faz dela uma pessoa mais forte, isso faz dela uma mulher sensacional que surpreende a todos.

E faz dos dois um dos meus shipps mais doidos e profundos, porque o romance desses dois é de outro patamar, é algo transcendente e que toca a alma, é algo que não vem só dos raios de sol e desejo – e pessoal tem cenas beem quentes hein! -, é algo que vem do fundo do poço, algo que vem da dor compartilhada e do entendimento, do amor que surge pelo que você é do jeito que é, com todos os defeitos e qualidades.

Contudo não se enganem, isso não é um romance, apesar de ter romance a trama não gira em torno disso. O reino de Prythian acabou de ser libertado por décadas de trabalho escravo nas mão de uma mulher cruel e poderosa e agora está se reerguendo aos poucos. Todos estão tensos e tentam eliminar o que resta dos males causados, das bestas soltas e ainda reconstruir seus reinos, mas algo está errado e Rhysand não só sente como sabe disso e está investigando tudo, só para descobrir coisas que o fazem temer pelo futuro.

Assim somos apresentados a um quarteto que de longe passou a ser um dos meus queridinhos, o círculo pessoal de Rhysand formado por Morrigan/Mor, Amren, Cassian e Azriel e a toda uma gama de lugares, pessoas e reinos que antes não tínhamos acesso por Feyre estar confinada em casa.

Não quero contar muito mais, pois posso me empolgar e aí serão mais parágrafos e parágrafos, o livro tem mais de 700 páginas, MUITA coisa acontece e todas são maravilhosas de se ver em primeira mão. Esse é o tipo de livro que te prende de inúmeras maneiras, primeiro é a curiosidade de saber o que veio depois, depois são os personagens que aparecem e então a dor das descobertas e então os acontecimentos alucinantes e as graças dos novos horizontes que aparecem e depois ainda o romance e o alucinante gancho que encaminha para o final.

Tudo é de tirar o fôlego, bem como a Sarah j. Maas sabe ser. E nunca deixo de me surpreender com a profundidade com que ela mergulha no cerne do ser humano, foi incrível ver a jornada de perdão e cura e descoberta da Feyre. Foi maravilhoso ter outros pontos de vista sendo narrados. Foi sensacional abrir essa porta e cair de cara nesse novo caminho e ser amparada por personagens tão carismáticos. Todos e tudo cresce e você sente que precisa crescer junto.

Só digo uma coisa: se preparem para surtar! 

Resenha: Corte de Névoa e Fúria, Sarah J. Maas
100%Pontuação geral
Capa100%
Enredo100%
Narrativa100%
Personagens100%
Votação do leitor 0 Votos
0%

The post Resenha: Corte de Névoa e Fúria, Sarah J. Maas appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

W – Two Worlds | Crítica do dorama

Posted: 07 Nov 2016 04:00 AM PST

Ficção científica em ação, e uma bela fenda dimensional.

Ficção científica, eis um tema algumas vezes recorrente nos dramas coreanos, principalmente se você for levar em conta os inúmeros casos de viagem no tempo e dramas com teor mais sobrenatural como ler mentes em I hear your voice e nem vou citar os mais comuns onde os vampiros, lobisomens e fantasmas ganham o palco. Contudo dimensões diferentes? Esse sim é um tema novo, e confesso que me deixou um pouco em dúvida se funcionaria… Foi uma grata surpresa!

O drama começa com o jovem Kang Chul (Lee Jong Suk) participando das Olimpíadas e a ganhando, assim se tornando um dos atletas mais novos e famosos de seu país. Pouco tempo depois sua família é misteriosamente assassinada e todas as provas apontam para ele, desesperado com a morte da família ele nem se dá conta de estar quase sendo condenado injustamente. 

Inimigos são feitos, anos se passam, a dor aumenta, a descrença também e Kang Chul é considerado inocente, mas isso importa? Ele está sozinho no fim das contas, ele quase acaba com tudo, mas a fome de vingança o alimenta e ele fará tudo para encontrar o verdadeiro culpado e levá-lo a justiça, é essa certeza que o move e desta forma anos se passam e Kang Chul se torna um herói nacional que investiga casos que a polícia não consegue resolver e para os bandidos que ninguém consegue.

Enquanto isso a médica Oh Yeon Joo (Han Hyo Joo) vive uma vida atribulada de residente no hospital, cair nas graças de seu professor é muito difícil e ele faz da vida dela um inferno, até descobrir que ela é filha do criador de W, um famoso manhwa coreano, e lhe pede spoilers do futuro de Kang Chul, pois o último episódio foi intenso demais.

Animada ela liga para Park Soo Bong (Lee Shi Un), o assistente de seu pai, só para descobrir que além de seu pai ter desaparecido sem maiores explicações ele estava desenhando a morte de Kang Chul antes de o fazê-lo. Preocupada com a pai e indignada com a morte de seu crush da infância, Oh Yeon Joo vai até o estúdio só para encontrar um cenário suspeito e Kang Chul desenhado claramente morto no tablet de seu pai.

Kang Chul está morrendo e pensando que não faz sentido morrer desse jeito quando por instinto ele puxa Oh Yeon Joo para dentro do manhwa e ela confusa e desesperada com o homem sangrando na sua frente coloca seus talentos médicos em ação e o salva no impulso e instinto.

Somente depois ela começa a perceber as coisas e notar as semelhanças e se dar conta de que de alguma forma ela está dentro de W, de que aqueles personagens na verdade são pessoas e de que ela não existe ali, não de verdade, assim quando a polícia chega para lhe confrontar o ápice do episódio ocorre e ela volta ao mundo real com o “continua” brilhando no ar.

Um episódio inteiro de W foi escrito e publicado sozinho e agora ela tem certeza de que não pode deixar seu pai matar Kang Chul de maneira alguma. Do outro lado Kang Chul não consegue parar de pensar no que houve no telhado, na jovem que o salvou, no seu sumiço repentino e no quanto ele tem certeza de que ela é a chave para os mistérios de sua vida.

Como podem ver a trama é bem complexa. É verdadeiramente a obra do criador ganhando vida! E isso é sensacional de tantas maneiras diferentes galerinha… Pois no início você se pergunta – e isso vale para Kang Chul se perguntando também – se ele é real sendo que ele foi criado, mas a verdade vai aparecendo e nos mostrando que mesmo que ele sempre teve momentos de liberdade de escolha. Ele existe, mas isso não muda o fato de haver uma crise pesada de identidade presente.

Quando Oh Yeon Joo descobre a verdade ela começa a transitar entre os mundos nos momentos mais estranhos e o interesse de Kang Chul nela não facilita as coisas, provocando os mais variados tipos de situações, pois no fim das contas ela o ama e não quer lhe contar a verdade de que ele vive dentro de um manhwa.

Contudo há claramente muitos elementos querendo que Kang Chul se dê mal ou nem mesmo viva e aos poucos fica impossível diferenciar realidade do manhwa, interesse de amor e problemas de morte iminente.

Como é comum na maioria dos dramas que possuem intrigas, assassinatos e muita investigação, há bastante romance e comédia para balancear os momentos mais densos, sem deixar todo o clima tenso para trás.

Os protagonistas – e deixo claro que eu AMO Lee Jong Suk, pois ele sempre está maravilhoso nos seus papéis – têm uma química maravilhosa e com toda certeza entrou para meus queridinhos do ano. Eles souberam mesclar tudo, todos os momentos estão ali, o amor, a discórdia, o drama, a comédia, a dor… meu Deus, teve momentos que eu quis entrar na tela e abraçar a Oh Yeon Joo! – nem comento do Lee Jong Suk porque é meio óbvio que isso ocorre também…

Mas isso não sufocou os problemas de Kang Chul em nenhum momento e isso foi um ponto positivo, mesmo quando eles tomam um decisão de partir o coração, pois significa que eles estavam comprometidos em resolver todas as pontas soltas.

Inclusive nos apresentando vilões inesperados e de dar um friozinho no estômago e despertar um ódio animalesco, o que é outro ponto positivo, os personagens secundários não deixaram de brilhar e complementar a trama em nenhum segundo.

Bem, este foi um dos dramas mais comentados do ano até agora e acredito que está nos favoritos de muitos e vai continuar assim por um tempo, afinal é bem merecido, quando vocês verem os efeitos visuais podem começar a pirar!!!

De qualquer forma eu mais que recomendo para todos porque esse drama tem de tudo! Garotos assistam sem medo, juro que tem uma pegada bem masculina… talvez seja mais correto dizer que não tem uma pegada bem feminina, isso soa melhor e mais condizente sobre o dorama. E fica a dica, W – Two worlds é um dorama exclusivo do Viki e pode ser assistido gratuitamente online.

The post W – Two Worlds | Crítica do dorama appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Badge