Eu vivo lendo

Conteúdo Recomendado

Eu vivo lendo


Livros Que Me Decepcionaram em 2015

Posted: 26 Dec 2015 11:22 AM PST

Existem livros que simplesmente não dão certo…






Esperava um livro doce e profundo, mas quebrei a cara! Cure Meu Coração foi o oposto de todas as características que eu achei que seria. O livro não foi maduro e reflexivo, na verdade foi uma enxurrada de clichês e previsibilidade. 


LEIA A CRÍTICA AQUI!


Nota: 2,5 estrelas.












Eu devorei a trilogia de A Seleção em três dias. A Herdeira era um livro que eu esperava MUITO, mas não chegou nem perto de atingir minhas expectativas. O livro, além de mal escrito, possui uma protagonista propositalmente irritante e preconceituosa. Kiera Cass me fez perder a vontade de ler qualquer coisa que ela escrever daqui pra frente...


AINDA SEM CRÍTICA


Nota: 2 estrelas.








Por Favor, Cuide da Mamãe não é um livro ruim… Longe disso! Mas o livro foi muito diferente do que eu esperava, o que fez com que minha experiência de leitura não fosse tão agradável quanto pensava que seria. Pretendo reler o livro em breve, pois acredito que o problema foi predominantemente comigo… Vamos ver!


AINDA SEM CRÍTICA


Nota: 3 estrelas.









Um livro que ao contrário de divertido, acabou se revelando massante. O Presente do Meu Grande Amor começa muito bem e apresenta três contos INCRÍVEIS, mas depois… Alguém nos salve, por favor! O livro é uma sequência de contos desordenados e confusos, além de apresentar uma conexão muito fraca e referências a cultura POP que não soam nada convincentes.


AINDA SEM CRÍTICA


Nota: 3 estrelas.








Desde que me tornei leitor tinha vontade de ler Stolen. Quando o dia finalmente chegou, acabei ficando triste com o que encontrei. O livro possui uma premissa muito interessante e tudo o que a autora quis apresentar é muito novo e válido, mas a maneira como ela o fez soou tão forçado que não teve jeito… DECEPÇÃO! Também espero reler o livro um dia e ver se gosto mais dele, porque não deu certo na 1° vez. 


AINDA SEM CRÍTICA


Nota: 3 estrelas.

Crítica: Amy e Matthew de Cammie McGovern

Posted: 23 Dec 2015 05:50 AM PST

Páginas: 336


Autor(a): Cammie McGovern


Editora: Galera


Ano de Publicação: 2015


Avaliação:


Capa - 4 estrelas

Diagramação - 4 estrelas

Obra Completa - 2,5 estrelas



Amy e Matthew não se conheciam realmente. Não eram amigos. Matthew sabia quem ela era, claro, mas ele também sabia quem eram várias outras pessoas que não eram seus amigos.Amy tinha uma eterna fachada de felicidade estampada em seu rosto, mesmo tendo uma debilitante deficiência que restringe seus movimentos. Matthew nunca planejou contar a Amy o que pensava, mas depois que a diz para enxergar a realidade e parar de se enganar, ela percebe que é exatamente de alguém assim que precisa.À medida que passam mais tempo juntos, Amy descobre que Matthew também tem seus problemas e segredos, e decide tentar ajudá-lo da mesma forma que ele a ajudou.E quando a relação que começou como uma amizade se transforma em outra coisa que nenhum dos dois esperava (ou sabe definir), eles percebem que falam tudo um para o outro... exceto o que mais importa.

Já não estou tão familiarizado com narrativas YA como antes. Amy e Matthew se provou ser aquilo que eu suspeitava desde o início. Um livro bom, mas que apresenta falhas insustentáveis para a construção de um enredo forte e cativante. Não é um livro que me arrependo de ler, porém não creio que tenha válido tanto assim meu dinheiro.

Amy e Matthew é construído todo sobre clichês que não convencem mais. A autora tenta constantemente desenvolver a personalidade dos personagens, utilizando de artefatos falhos e repetidamente incongruentes. Gostei da forma como Matthew foi apresentado, pois seus problemas e a maneira como o personagem vê a vida, de certa forma, é muito verossímil. Mas Amy… Não convenceu! Ela tem deficiência e na tentativa de explorar o problema de Amy, a autora acabou se perdendo e tornando o enredo do livro cansativo e inconveniente em muitos momentos. É como se o fato de Amy ser deficiente, justificasse todos os erros e "mimimis" da personagem. Uma coisa não anula a outra. Como uma autora quer trabalhar com o preconceito, se ela própria o pratica?

 "E ali estava ela outra vez, a garota mais azarada que ele era capaz de imaginar, dizendo que se sentia uma garota de sorte? Tinha que ser fingimento."
Cammie McGovern tem uma escrita gostosa de ler, mas não conseguiu descrever acontecimentos importantes na narrativa – ou teve muita preguiça para fazer tal coisa. Tudo acontece rápido demais! As mudanças bruscas de humor dos personagens, muita das vezes não condizia com a personalidade dos mesmos, apresentada pela autora em páginas anteriores. Formas de agir e de pensar são banalizadas e ações sem brilho algum possuem destaque desnecessário em diversos momentos do livro. Faltou planejamento e maior atenção aos detalhes, que são de extrema importância.
As problemáticas adolescentes apresentadas pela autora é literalmente: "mais do mesmo". Amy está loucamente apaixonada, mas não pode revelar. Matthew está confuso e não consegue decidir se quer ou não ficar com Amy. O livro se torna cansativo em diversos momentos, pois o uso incessante de clichês cansa em demasiado. Se a autora tivesse pensado em desenvolver melhor a dificuldade da relação dos dois e como isso afetaria a vida de ambos, o livro seria superior. O problema foi que isso não aconteceu…
 - Ele não vai me magoar. Ele é o meu melhor amigo.
- Esse é o problema Aim. Você quer mais do que isso não é? Você não quer ser só amiga dele."
O que acontece com Amy? Nunca gostei muito da personagem. Reclamar, em determinadas situações, é algo logicamente previsível e necessário, mas Amy o faz O TEMPO TODO! Nada nunca parecia estar bom para a personagem e a maneira como ela tratava os outros e a si mesma, me estressou. Não gosto de pessoas que se alto denominam "inúteis" sem ter nenhuma perspectiva do que isso significa. Amy é uma personagem que não cativa hora alguma e seus erros (sempre os mesmos) são reflexos de seu jeito problemático – não no sentido literal, é claro.
"Acho que vamos todos descobrir que não existe um único e grande teste ou maneira de nos validar no mundo. Existe apenas um longo e silencioso processo de descobrir nosso lugar nele."

O que tem de positivo no livro? A mensagem! Cammie McGovern conseguiu desenvolver muito bem a deficiência física dos personagens, e no caso de Matthew, aplicou com maestria as consequências de tudo aquilo na vida e na psique do personagem. O fato de não ter feito isso tão bem em Amy, prejudicou o enredo, mas não tirou o brilho dessa qualidade do livro. No final a mensagem reverbera e soa muito agradável a quem lê.

Gostei muito da edição. Apesar de não ser tão chamativa e de ser feita para parecer-se com um livro X, a capa do livro me agradou bastante. Não curti tanto a impressão do livro, pois a diagramação é toda em negrito, o que em incomodou bastante. O recurso utilizado para acentuar os pensamentos de Amy foi bastante inteligente e não confunde. Em suma, é uma edição boa e que não peca em quase nada.

"É possível amar alguém por razões inteiramente altruístas, por todas as suas falhas e fraquezas, e ainda sim não ter esse amor correspondido."

Amy e Matthew não é inovador e muito menos original. O livro possui falhas graves e que atrapalham todo o andamento da narrativa. Os personagens são bipolares e não conseguem cativar o leitor, o que fere na conexão deste com a trama. Algumas mensagens são passadas com maestria, mas a autora se perde na construção de momentos cruciais para o enredo. Um livro que poderia ser MUITO MELHOR e que não executa nenhum aspecto do gênero com perfeição. Leitura não muito recomendada. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Badge