Burn Book

Conteúdo Recomendado

Burn Book


Resenha: Corte de Espinhos e Rosas, Sarah J. Maas

Posted: 01 Aug 2016 12:00 PM PDT

Feyre hesita apenas por um segundo, tempo suficiente para se convencer de que aquele lobo não é um feérico, de que ele é apenas um grande animal que além de sanar a fome de sua família por vários dias, irá render um bom dinheiro com a venda de sua pele, então ela mira e atira. E enquanto ela retira a pele do animal, ela pensa mais de uma vez que aqueles olhos são pouco animalescos.

Ao chegar em casa ela se depara com a dura realidade em que sua família vive, num pequeno casebre, tão diferente da imensa mansão em que um dia eles viveram, antes de seu pai perder a fortuna da família e levar todos para a miséria.  Ela se depara com a frieza de sua irmã mais velha, com a indiferença de seu pai e com as poucas palavras gentis que sua irmã do meio arrisca em sua direção. Elas não eram velhas demais para se adaptar sem ressentimentos, velhas demais para de fato porem a mão na massa, e assim Feyre assume todas as responsabilidades – manter sua família viva, tudo por causa de uma promessa feita no leito de morte da mãe que nunca a amou tanto. Mas para os humanos uma promessa é tudo, e ela vai cumprir a sua.

A carne foi cortada e seca,  a lenha cortada, as costumeiras brigas tidas, palavras duras ditas, as peles vendidas e o dinheiro pego, ela pensou que finalmente teria um pouco de paz no inverno cruel que estava se desenvolvendo, contudo quando a porta é escancarada e uma besta enorme invade uivando e gritando, perguntando quem havia matado seu amigo. Feyre havia matado o lobo, que no fim das contas era um feérico e agora ela tinha duas opções: morrer de forma dolorosa como ele havia morrido ou ir com a fera que estava parada em sua sala e nunca mais voltar ao reino humano.

Se ela morresse não poderia fugir, se ela fosse talvez pudesse voltar algum dia… ela decidiu ir, mas Feyre não esperava encontrar metade do que encontrou, não esperava sentir metade do que sentiu e não esperava se ver em meio a uma intriga que dura séculos, pois uma coisa é certa, nada é o que parece.

– Porque eu não iria querer morrer sozinha – falei, e minha voz falhou quando olhei para Tamlim de novo, me obrigando a encará-lo. – Porque eu iria querer que alguém segurasse minha mão até o fim, e um pouco depois disso. Isso é algo que todos merecem, humanos ou feéricos.

Da mesma escritora de Trono de Vidro, Corte de Espinhos e Rosas chega para confirmar que Sarah J. Maas veio para ficar no gênero fantástico, a mulher arrasa nas releituras e coloca um bocado de originalidade na trama e personalidade em seus personagens que te encanta desde as primeiras páginas.

Feyre já nas primeiras páginas nos apresenta uma realidade bem dura, onde a pobreza e fome são os centros de tudo, nos apresenta também um mundo onde os humanos são minoria e os feéricos vivem além das fronteiras impostas pelo tratado. Ou seja, há muito rancor e medo por parte dos humanos, até mesmo ódio daqueles seres que séculos antes mataram milhares de humanos numa guerra terrível.

Então quando Feyre é levada para este mundo ela vê tudo com olhos cheios de suspeita e assim como ela vamos aos poucos descobrindo os mistérios do mundo feérico e os limites entre a verdade e a mentira de tudo que ela aprendeu sobre eles durante anos.

 

– Alguém já cuidou de você?- perguntou ele, baixinho.

– Não – respondi, simplesmente. Havia muito tempo tinha deixado de sentir pena de mim mesma por causa daquilo.

Claro que encontramos personagens feéricos para lá de cativantes né? Afinal é um romance também, contudo amei a maneira como a escritora fez as coisas fluírem de maneira a tudo ser coerente, Feyre não deixa de ser quem é, não abre mão de seus costumes e crenças facilmente e quando o faz, bem, só o faz por perceber que estava de fato errada em algumas coisas, contudo é encantador ver como ela se mantém fiel a si mesma e como passa a se descobrir como pessoa, ao ter, finalmente, o peso da responsabilidade de outras vidas tirada de suas costas.

– Não. – Olhei de um para o outro. Loucura. Aqueles seres letais, imortais, realmente não tinham nada melhor para fazer que aquilo? – É isso mesmo que querem saber a meu respeito? Se acho que são mais bonitos que machos humanos, e se tenho um homem em casa? Para que perguntar isso, se ficarei presa aqui pelo resto da vida?

Resenha: Corte de Espinhos e Rosas, Sarah J. Maas
100%Pontuação geral
Capa100%
Enredo100%
Narrativa100%
Personagens100%
Votação do leitor 0 Votos
0%

The post Resenha: Corte de Espinhos e Rosas, Sarah J. Maas appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

Jason Bourne | Crítica

Posted: 01 Aug 2016 11:44 AM PDT

Mesmo depois de dez anos, nada pode parar Jason Bourne.

Matt Damon está de volta na franquia que o ajudou a se consagrar como um herói de ação. Nessa onde de remakes e continuações, já era de se esperar que a Universal trouxesse de volta uma das respostas dos Estados Unidos a franquia 007. Na verdade, essa foi uma das coisas que percebi nesse novo filme do Bourne. Ele decidiu pegar muito do realismo que o James Bond de Daniel Craig trouxe, sem deixar suas cenas de ação muito espalhafatosas.

É meio impossível você fazer o que nosso protagonista faz, mas os efeitos especiais e a coreografia são tão bons, que você acaba se esquecendo disso facilmente.

jason-bourne-2016-matt-damon-riot1

Mas um filme tem que ir além de suas cenas de ação e cenário. Esse novo filme tinha a missão de conquistar as pessoas que, como eu, não conheciam bem a franquia. Dez anos se passaram desde o último filme. Muita gente iria para o cinema sem ter visto se quer um filme de Jason Bourne.

O filme até consegue explicar os eventos principais para que você possa se deixar levar pelas cenas de ação, mas como estamos falando de uma continuação, quem já conhecia os últimos três filmes, é bem provável que consiga se envolver melhor com o personagem.

Jason-Bourne-2016-e1461252181808

Não que tenha algum problema com Matt e sua interpretação do assassino internacional. Jason Bourne continua durão, o que me faz pensar que quanto mais velho você fica mais badass você é. Você não fica velho, mas sim experiente.

O problema mesmo são os personagens ao seu redor. Eu não vi nada de novo ou qualquer um que eu realmente me importasse. Nem mesmo as reviravoltas do diretor Paul Greengrass pareciam realmente interessantes. Parecia mais que Matt carregava o filme nas costas com a dureza e esperteza de seu personagem.

No final, Jason Bourne vale mais pelas cenas de ação do que pela sua história e seus personagens. Mas é um bom filme de ação com um ótimo protagonista, e eu consigo ver algumas pessoas querendo conhecer melhor essa franquia ao saírem do cinema. Acho que posso me incluir como uma delas.

Jason Bourne | Crítica
72%Pontuação geral
Personagens 65%
Enredo 60%
Fotografia 80%
Efeitos Especiais 80%
Trilha Sonora 75%
Votação do leitor 0 Votos
0%

The post Jason Bourne | Crítica appeared first on Burn Book - Sua fonte de literatura, cinema e entretenimento!.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Badge